Resolução 20-2007 - CNMP - Controle Externo Atividade Policial

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO
RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007.
Regulamenta o art. 9º da Lei Complementar nº 75, de 20 de maio de 1993 e o art. 80 da Lei nº 8.625, de 12 de fevereiro de 1993, disciplinando, no âmbito do Ministério Público, o controle externo da atividade policial.
O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no uso de suas atribuições, em conformidade com a decisão plenária tomada em Sessão realizada no dia 28 de maio de 2007;
O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 130-A, §2º, inciso I, da Constituição Federal e com fulcro no artigo 64-A, de seu Regimento  interno;
CONSIDERANDO o disposto no artigo 127, caput e artigo 129, incisos I, II e VII, da Constituição Federal;
CONSIDERANDO o que dispõem o artigo 9º, da Lei Complementar n.º 75, de 20 de maio de 1993 e o artigo 80, da Lei n.º 8.625, de 12 de fevereiro de 1993;
CONSIDERANDO a necessidade de regulamentar no âmbito do Ministério Público o controle externo da atividade policial;
RESOLVE:
Art. 1º Estão sujeitos ao controle externo do Ministério Público, na forma do art.
129, inciso VII, da Constituição Federal, da legislação em vigor e da presente Resolução, os
organismos policiais relacionados no art. 144 da Constituição Federal, bem como as polícias
legislativas ou qualquer outro órgão ou instituição, civil ou militar, à qual seja atribuída parcela
de poder de polícia, relacionada com a segurança pública e persecução criminal.
Art. 2º O controle externo da atividade policial pelo Ministério Público tem como
objetivo manter a regularidade e a adequação dos procedimentos empregados na execução da
atividade policial, bem como a integração das funções do Ministério Público e das Polícias
voltada para a persecução penal e o interesse público, atentando, especialmente, para:
I – o respeito aos direitos fundamentais assegurados na Constituição Federal e nas
leis;
II – a preservação da ordem pública, da incolumidade das pessoas e do patrimônio
público;
III – a prevenção da criminalidade;
IV – a finalidade, a celeridade, o aperfeiçoamento e a indisponibilidade da
persecução penal;
V – a prevenção ou a correção de irregularidades, ilegalidades ou de abuso de
poder relacionados à atividade de investigação criminal;
VI – a superação de falhas na produção probatória, inclusive técnicas, para fins de
investigação criminal;
VII – a probidade administrativa no exercício da atividade policial.
Art. 3º O controle externo da atividade policial será exercido:
I - na forma de controle difuso, por todos os membros do Ministério Público com
atribuição criminal, quando do exame dos procedimentos que lhes forem atribuídos;
II - em sede de controle concentrado, através de membros com atribuições
específicas para o controle externo da atividade policial, conforme disciplinado no âmbito de
cada Ministério Público.
Art. 4º Incumbe aos órgãos do Ministério Público, quando do exercício ou do
resultado da atividade de controle externo:
I – realizar visitas ordinárias periódicas e, quando necessárias, a qualquer tempo,
visitas extraordinárias, em repartições policiais, civis e militares, órgãos de perícia técnica e
aquartelamentos militares existentes em sua área de atribuição;
II – examinar, em quaisquer dos órgãos referidos no inciso anterior, autos de
inquérito policial, inquérito policial militar, autos de prisão em flagrante ou qualquer outro
expediente ou documento de natureza persecutória penal, ainda que conclusos à autoridade, deles
podendo extrair cópia ou tomar apontamentos, fiscalizando seu andamento e regularidade;
III – fiscalizar a destinação de armas, valores, substâncias entorpecentes, veículos
e objetos apreendidos;
IV – fiscalizar o cumprimento dos mandados de prisão, das requisições e demais
medidas determinadas pelo Ministério Público e pelo Poder Judiciário, inclusive no que se refere
aos prazos;
V – verificar as cópias dos boletins de ocorrência ou sindicâncias que não geraram
instauração de Inquérito Policial e a motivação do despacho da autoridade policial, podendo
requisitar a instauração do inquérito, se julgar necessário;
VI – comunicar à autoridade responsável pela repartição ou unidade militar, bem
como à respectiva corregedoria ou autoridade superior, para as devidas providências, no caso de
constatação de irregularidades no trato de questões relativas à atividade de investigação penal
que importem em falta funcional ou disciplinar;
VII – solicitar, se necessária, a prestação de auxílio ou colaboração das
corregedorias dos órgãos policiais, para fins de cumprimento do controle externo;
VIII – fiscalizar cumprimento das medidas de quebra de sigilo de comunicações,
na forma da lei, inclusive através do órgão responsável pela execução da medida;
IX – expedir recomendações, visando à melhoria dos serviços policiais, bem
como o respeito aos interesses, direitos e bens cuja defesa seja de responsabilidade do Ministério
Público, fixando prazo razoável para a adoção das providências cabíveis.
§ 1º Incumbe, ainda, aos órgãos do Ministério Público, havendo fundada
necessidade e conveniência, instaurar procedimento investigatório referente a ilícito penal
ocorrido no exercício da atividade policial.
§ 2º O Ministério Público poderá instaurar procedimento administrativo visando
sanar as deficiências ou irregularidades detectadas no exercício do controle externo da atividade
policial, bem como apurar as responsabilidades decorrentes do descumprimento injustificado das
requisições pertinentes.
§ 3º Decorrendo do exercício de controle externo repercussão do fato na área
cível, incumbe ao órgão do Ministério Público encaminhar cópias dos documentos ou peças de
que dispõe ao órgão da instituição com atribuição para a instauração de inquérito civil público ou
ajuizamento de ação civil por improbidade administrativa.
Art. 5º Aos órgãos do Ministério Público, no exercício das funções de controle
externo da atividade policial, caberá:
I – ter livre ingresso em estabelecimentos ou unidades policiais, civis ou
aquartelamentos militares, bem como casas prisionais, cadeias públicas ou quaisquer outros
estabelecimentos onde se encontrem pessoas custodiadas, detidas ou presas, a qualquer título,
sem prejuízo das atribuições previstas na Lei de Execução Penal que forem afetadas a outros
membros do Ministério Público;
II – ter acesso a quaisquer documentos, informatizados ou não, relativos à
atividade-fim policial civil e militar, incluindo as de polícia técnica desempenhadas por outros
órgãos, em especial:
a) ao registro de mandados de prisão;
b) ao registro de fianças;
c) ao registro de armas, valores, substâncias entorpecentes, veículos e outros
objetos apreendidos;
d) ao registro de ocorrências policiais, representações de ofendidos e notitia
criminis;
e) ao registro de inquéritos policiais;
f) ao registro de termos circunstanciados;
g) ao registro de cartas precatórias;
h) ao registro de diligências requisitadas pelo Ministério Público ou pela
autoridade judicial;
i) aos registros e guias de encaminhamento de documentos ou objetos à perícia;
j) aos registros de autorizações judiciais para quebra de sigilo fiscal, bancário e de
comunicações;
l) aos relatórios e soluções de sindicâncias findas.
III – acompanhar, quando necessária ou solicitada, a condução da investigação
policial civil ou militar;
IV – requisitar à autoridade competente a instauração de inquérito policial ou
inquérito policial militar sobre a omissão ou fato ilícito ocorrido no exercício da atividade
policial, ressalvada a hipótese em que os elementos colhidos sejam suficientes ao ajuizamento de
ação penal;
V – requisitar informações, a serem prestadas pela autoridade, acerca de inquérito
policial não concluído no prazo legal, bem assim requisitar sua imediata remessa ao Ministério
Público ou Poder Judiciário, no estado em que se encontre;
VI – receber representação ou petição de qualquer pessoa ou entidade, por
desrespeito aos direitos assegurados na Constituição Federal e nas leis, relacionados com o
exercício da atividade policial;
VII – ter acesso ao preso, em qualquer momento;
VIII – ter acesso aos relatórios e laudos periciais, ainda que provisórios, incluindo
documentos e objetos sujeitos à perícia, guardando, quanto ao conteúdo de documentos, o sigilo
legal ou judicial que lhes sejam atribuídos, ou quando necessário à salvaguarda do procedimento
investigatório.
Art. 6º Nas visitas de que trata o artigo 4º, inciso I, desta Resolução, o órgão do
Ministério Público lavrará a ata ou relatório respectivo, consignando todas as constatações e
ocorrências, bem como eventuais deficiências, irregularidades ou ilegalidades e as medidas
requisitadas para saná-las, devendo manter, na promotoria ou procuradoria, cópia em arquivo
específico.
Parágrafo único. A autoridade diretora ou chefe de repartição policial poderá ser
previamente notificada da data ou período da visita, bem como dos procedimentos e ações que
serão efetivadas, com vistas a disponibilizar e organizar a documentação a ser averiguada.
Art. 7º Os Ministérios Públicos dos Estados e da União deverão adequar os
procedimentos de controle externo da atividade policial, expedindo os atos necessários ao
cumprimento da presente Resolução, no prazo de 90 dias a contar de sua entrada em vigor.
Art. 8º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 28 de maio de 2007.
ANTONIO FERNANDO BARROS E SILVA DE SOUZA
Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público
Recomendar esta página via e-mail:
  • Conte até 10 nas Escolas
  • Arquivo de Fotos
  • Vídeos
  • Atividades do CAOP
  • Acordo de Cooperação Técnica - MPPR e CNJ
  • Logotipo Enasp